Home | Homenagem | Sensei Edson Nakama

Sensei Edson Nakama

Edson Nakama


Edson Fujinori Nakama nasceu em 04/03/1958 na cidade de Sertaneja – Paraná.

É filiado a:

  • International Shotokan Karate Federation – ISKF – 7o. DAN;
  • Confederação Brasileira de Karate – 6o. DAN;
  • CREFITO Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Como atleta, possui vários títulos estaduais e nacionais; vários títulos nos Jogos Abertos do Interior – SETESP; Bicampeão Sul-americano; Bicampeão Pan-americano; 6o. Lugar Campeonato Mundial do México. Ex-técnico da Seleção Paulista de Karate.

CARGOS ATUAIS

  • Examinador de Graduação Superior;
  • Diretor Técnico da ISKF Brasil e Examinador de Grau Superior para a América do Sul;
  • Diretor Técnico da Federação Paulista de Karate FPK;
  • Fisioterapeuta esportivo;
  • Professor titular da:

                - Associação Seido-kan;

                - Associação Kanayama de Judô e Karate;

                - Associação Shotokan de Karate Tridimensional.

 

Carlos Camacho (CC): Sensei, o que é o Karate-do para o Sr.?

Edson Nakama Sensei (EN):

  • Filosofia de vida;
  • Estudo espiritual e mental;
  • Uma busca da qualidade de vida;
  • Família;
  • Harmonia;
  • Saúde.

 

CC: Como foi o seu início no Karate?

EN: Foi uma coisa interessante. Eu me envolvi com o Karate por uma questão de saúde.

Eu tinha problema de bronquite e quem me tratava era um tio médico. Ele me aconselhou a procurar uma atividade que mexia com o corpo, então eu entendia que tinha que fazer Judô ou natação.

Nessa época eu tinha uns 15, 16 anos e alguns dos meus primos já treinavam Judô.

Por influência destes primos, decidi iniciar meu treinamento no Judô. Como não encontrei um Dojo de Judô perto de casa, comecei a treinar Karate por indicação de um amigo do meu pai – o Sensei Guensei Arakaki.

Os horários que eu tinha para treinar não eram compatíveis com as aulas do Sensei Arakaki. No dojo haviam outros professores e, no horário em que eu podia treinar, as aulas eram ministradas pelo professor Osvaldo Messias de Oliveira.

 

CC: A comunidade karateca conhece Luci Sensei, vossa esposa. Luci Sensei é 5º DAN pela ISKF, 3º DAN pela FPK e foi técnica da seleção brasileira de Kata em diversos campeonatos. É professora e técnica na Academia Seidokan e como atleta detém uma brilhante trajetória. Dentre seus principais títulos estão:

- 15 títulos de Campeã Paulista
- 10 títulos de Campeã Brasileira
- 2 títulos de Vice-Campeã Sul-americana
- 2 títulos de CAMPEÃ SUL-AMERICANA
- 1 título de 3º lugar Pan-americano
- 3 títulos de Vice-Campeã Pan-americana
- 1 título de CAMPEÃ PAN-AMERICANA
- 9º lugar Campeonato Mundial do Egito
- 8º lugar Campeonato Mundial do México
- 15º lugar Campeonato Mundial do Japão

 

Luci Nakama Sensei

Luci Nakama Sensei

 

CC: Quais membros de sua família também são praticantes de artes marciais? O Sensei pode citar a arte que praticam?

EN: Meu pai praticava Sumo Okinawano. Alguns dos primos treinavam Judô. Meu irmão e meus primos treinavam na Seido-kan comigo.

 

CC: Como foi sua trajetória junto a Federação Paulista de Karate – FPK?

EN:

1974: Filiação como pessoa física;

1979: Filiação como pessoa jurídica (o dojo Seido-kan foi fundado em 13 de agosto de 1979);

1979: Integrou a Seleção Paulista de Karate;

1990: Técnico da Seleção Paulista (por currículo);

1995: Diretor técnico (por currículo).

 

CC: O que o Sr. pensa sobre a existência de tantas federações de Karate?

EN: A minha preocupação não é com as federações mas sim com dirigentes e professores.

 

CC: O Sr. foi aluno direto do Mestre Juichi Sagara. Comente um pouco essa experiência.

EN: Eu comecei a treinar com ele por indicação de um parente. Ele veio do Japão para trabalhar na área de pesquisa em minério, e quando ele tinha um horário vago ele começou a ensinar o Karate.

Ele treinou na Universidade Takushoku com o Mestre Nakayama. Ele era um universitário e o professor Nakayama tinha um aluno que montou uma equipe na universidade onde ele estudava. Esse aluno do Mestre Nakayama se chamava Okazaki, que posteriormente foi nomeado como instrutor de Karate nesta universidade.

Hoje o Mestre Teruyuki Okazaki está na Filadélfia – EUA, e pelo falecimento do professor Sagara eu sigo o Mestre Okazaki, que foi aluno direto do criador do Shotokan, o Mestre Gichin Funakoshi.

O Mestre Juichi Sagara foi Professor, Pai, orientador e amigo. Sou muito grato por tudo que sou. Não gostaria de comentar nada porque não é possível expressar aqui o que ele significou para mim.

 

CC: Como o Sr. vê a sua responsabilidade com relação a disseminação da cultura do Karate Shotokan no Brasil e demais países que fazem parte da comunidade ISKF?

EN: Estar no Caminho de um praticante de uma arte é uma responsabilidade que está acima de qualquer comunidade.

 

CC: Por favor, fique à vontade caso queira citar algumas boas lembranças de sua trajetória no Karate-Do.

EN: Elevação cultural e espiritual.

 

CC: Por favor, fique à vontade caso queira citar alguma má lembrança de sua trajetória no Karate-Do.

EN: Nestes anos todos não me lembro/esqueci de lembranças ruins. Muita tristeza quando Sensei Sagara se transferiu para o plano divino.

 

CC: Existe uma “disputa” entre o Karate como desporto e o Karate tradicional. O que o Sr acha disso?

EN: Na minha opinião tudo é bem-vindo. Agora, o homem tem de saber separar bem.

Eu sou a favor do Karate esporte, só que alguns dirigentes, por interesse particular, desviam o nosso Karate de uma arte tão nobre para o benefício próprio, até financeiro. Com isso eu não concordo. É fato que para estar no patamar atual isso deve-se também ao Karate competitivo.

Só que alguns mudaram essa ideia. O Karate atrai muito público, muitos praticantes, dentre eles grandes empresários, e alguns dirigentes usaram isso, vamos dizer, como forma de ganhar dinheiro.

Hoje no karate desportivo infelizmente alguns professores ainda usam esse meio. Então eu estou colocando que dentro do Karate esporte, se todo praticante treinar o Karate-Do ele também pode conquistar títulos. Sejam esses títulos estaduais, nacionais ou internacionais, mas usando o Karate-Do.

Esse atleta que hoje treina o Karate-Do pode se tornar um bom treinador, um bom técnico, um bom professor, um bom árbitro e um bom homem. Alguns atletas sustentam hoje o título de campeões mas infelizmente eu tenho acompanhado e essa carreira é muito curta. Ele foi bom naqueles três minutos em que competiu. Ele é campeão? Sim, é mérito dele, realmente ele é campeão.

Só que eu não vejo uma continuidade dentro do Karate. Ele pára muito cedo por não conhecer a base, o fundamento, o conteúdo do Karate-Do. Esse conteúdo do Karate-Do dá uma base para a formação do cidadão, inclusive do caráter.

 

CC: O Sr é a favor dos eventos de Mixed Martial Arts (MMA)? Eventos como Cage Rage, UFC, que misturam lutadores de várias artes e estilos?

EN: Veja bem, essa não é a questão. Eu não sou contra nem a favor.

Eu vejo que são atletas e que não se deve destratá-los. São pessoas de coragem. Isso é uma opção deles, e eu reconheço que todos são lutadores, e que alguns estão fazendo isso até porque estão ganhando muito dinheiro, então quem somos nós para julgar?

Agora, eu sou contra alguns professores ou pais de praticantes dizerem que isso é Karate, isso é Judô, ou isso é TaeKon-Do. Não!

Isso nós não podemos ensinar aos nossos alunos, e os pais não devem pensar dessa forma sem conhecer a fundo a questão.

O fato de estarem juntas todas as modalidades não significa que é Karateca ou Judoca. Eles estão se enfrentando num ringue. Alguns porque gostam e outros para defender a parte profissional deles, o salário deles. Então como mestre de Karate eu os respeito como também respeito, por mais simples que seja, uma modalidade de luta.

 

CC: O que o Sr. Entende por Budô?

EN: Estou a cada segundo praticando, estudando, ajudando o próximo e valorizando a união da família para entender o Budô. Este caminho deve ser muito íntimo de cada homem (guerreiro).

 

CC: O Sr. Acha que é possível conciliar o Budô na formação de karatecas que participam de eventos competitivos?

EN: Só o fato de estar diante do companheiro e ambos obedecerem uma regra, já se está aperfeiçoando/compreendendo o Budô.

 

CC: O que o Sr. acha dos estilos de Karate de contato? (Ex: Kyokushin)

EN: Não posso julgar o Karate ou outras modalidades de contato antes de saber qual é o seu objetivo.

Hoje as modalidades de contato usam protetores, preservando a integridade física.

 

CC: O Aikido é uma arte marcial que existe sem competições. O Sr. acha que o Karate-Do conseguiria sobreviver sem competições?

EN: Na instituição na qual eu faço parte (I.S.K.F) os participantes de uma competição não tem como objetivo ganhar uma medalha de ouro. O objetivo dos estudantes é se reunirem num grande dojo (ginásio) para um treinamento teste.

Neste encontro todos estão treinando: professores, árbitros, atletas, público, etc.

O Aikido tem o mesmo objetivo. O estudante não pensa em ganhar, mas sim em não perder.

Atualmente é difícil que um produto sobreviva sem que esteja na mídia.

 

CC: O Judô é um esporte olímpico. O que o Sr. Acha de também tornar o Karate-Do um esporte olímpico? Isso poderia prejudicar de alguma forma o Karate Budô?

EN: Parabenizo todos os competidores que estão nos jogos olímpicos independente da modalidade.

Todos são guerreiros.

Alguns dirigentes/públicos desconhecem a verdadeira origem dos jogos olímpicos.

 

CC: O Sr. Pensa que a prática do Sundome prejudica o desenvolvimento do Karate marcial?

EN: Vou responder porque há Sundome.

Como o Karate sobreviveria ao tempo sem o Sundome? Imagine o que aconteceria com um iniciante se o Senpai não praticasse Sundome (…).

Saber utilizar o Sundome é a verdadeira prática marcial. É ter controle físico e mental.

 

CC: O Sr. Acha que a formação de karatecas para competição pode prejudicar a transmissão de técnicas efetivas de defesa pessoal?

EN: Não. A verdadeira defesa pessoal consiste em não usar a sua condição física, mas sim a mente.

 

CC: O Sr. Recebe muitos convites para ministrar cursos?

EN: Realmente com o falecimento do professor Sagara, o grupo que o seguia está me seguindo agora. Então todo final de semana eu tenho convite para estar em algum lugar para divulgar o Karate do nosso mestre Sagara. O Karate do professor Sagara é um Karate-Do. Ele é completo no sentido de que envolve uma boa compreensão do Kihon, um bom entendimento de Kata e boa aplicação da parte física da luta. Então para mim o Karate é completo.

Eu não gosto quando falam coisas do tipo “eu gosto só de Kata”, ou “eu só gosto de Kumite”, etc.

Não! Você deve gostar do Do. O Do é o complemento do Karate. O Do é o que torna o Karate completo. Então nos meus cursos eu digo sempre que o Karate deve ser treinado cientificamente, de maneira séria e não como uma brincadeira de luta ou só como uma atividade física.

 

CC: Qual mensagem o Sensei gostaria de deixar para os praticantes de Karate-Do?

EN: Muita paciência.

Karate-Do é uma arte. Não tem receita pronta.

Quanto mais baixa é a linha do gráfico, esse é o momento de praticar.

Treinem arduamente cada Kata para compreender a origem e o espírito do criador.

Utilize a aprendizagem do Karate-Do na vida pessoal, familiar e profissional.

 

CC: Domo Arigato Gozaimashita (Muito obrigado!).

 

Maio de 2012.

São Paulo, Brasil.

 

 Galeria de Imagens

 

Gichin Funakoshi O’Sensei
 Masatoshi Nakayama Sensei

 Gichin Funakoshi O’Sensei

 

 Masatoshi Nakayama Sensei

 

 Juichi Sagara Sensei Teruyuki Okazaki Sensei

 Juichi Sagara Sensei

 

 Teruyuki Okazaki Sensei

 

 
Edson Nakama Sensei

 Edson Nakama Sensei

 

 

Depoimentos


Olá amigos, a seguir contarei resumidamente como conheci o Prof. Edson Nakama.

Década de 80, ao participar do exame para Shodan, tive a oportunidade de ver um japonesinho fazendo um exame para Nidan... O cara foi impecável!

Um ano depois, participando como atleta de um Campeonato Paulista com 100% dos bons karatecas da época (hoje estão divididos em inúmeras Federações, ligas e afins), logo após cumprir minhas obrigações de iniciante (iniciante na época era aquele que aprendia apanhando) pude assistir as lutas e execução dos kata do mesmo cara que fez um exame impecável para faixa preta 2º Dan. No final o atleta que eu acompanhava com carinho e, espontaneamente torcia por ele, conquistou em um mesmo Campeonato Paulista os títulos de Campeão no shiai individual e por equipe e o de Campeão no kata individual e por equipe. Ou seja, conquistou todos os títulos em disputa! Seu nome: Edson Fujinori Nakama, sua associação: Seido-kan.

Davi Rodrigues Poit – 6º Dan.
Responsável pelo dojô AJK
Vice-diretor da Escola Superior de Educação Física – ESEF
Jundiaí – São Paulo

O professor Davi também nos presenteou enviando um vídeo.

Neste vídeo o Sensei Edson Nakama está competindo em Kata, enquanto o professor Davi atua como árbitro.

 

URL: http://www.youtube.com/watch?v=SPjf6AZbifQ&feature=endscreen&NR=1

 

 

Conhecemos Sensei Edson Nakama desde os anos 80. Nos eventos nacionais, convivemos desde 2006 por intermédios dos Encontros - Gashukos, em especial os de Goiânia – ASKT/ISKF.

Palavras não refletem e não conseguem traduzir pessoa tão maravilhosa. Até porque ele as usa muito pouco.

Contudo  sua capacidade de transmitir a verdade, honestidade, solidariedade, dentre tantos adjetivos positivos o torna ímpar.

Sensei Edson Nakama, muito obrigado por me chamar de seu amigo.

Oss!

 

Prof. Lindomar Matos – 5º Dan
Representante da Power Associação Sócio Esportiva
Brasília - DF

 

 

O Sensei Edson dispensa comentários. Falar da sua pessoa é falar  de: disciplina, honestidade, honra, técnica, amizade, respeito, caráter, etc... adjetivos que só um grande homem possui.

Muito obrigado por tudo.

 

Sensei Luiz Henrique Boava
Cocal do Sul - SC

 

 

Eu e meu irmão fomos os primeiros alunos da Seido-Kan, que se não me engano ficava na Rua Anhaia no Bom Retiro.
Desde o início, o Sensei Nakama tem muita dedicação, talento e amor pelo verdadeiro Karatê como filosofia de vida. Não importa se ele tem dois ou cinquenta alunos, as aulas são dadas com a mesma dedicação.
Além de excelente profissional, o Sensei Nakama e a Luci são pessoas de muito caráter, sempre dispostos a ajudar as pessoas e orientar.
Tenho certeza que muito da história e conquistas deles devem-se a esta característica, às vezes não muito comum nos seres humanos.
Tenho muito orgulho de literalmente fazer parte da família, e tê-los como primos.


Abraços,
Sandra Desco de Almeida.

 

 

Brasil tiene muy buenos senseis como el caso de Edson Nakama, exelente profesor, y lo que es mas, una exelente persona y budoka, y un gran amigo (hermano) de karate y sentimiento, el cual asiduamente viene a brindar sus conocimientos a mi pais…

Osu!
Edgardo Auza - 5to.Dan.

 

 

Iniciei meu treinamento no RS quando me graduava em medicina. Meu professor Eduardo foi quem me indicou para treinar com Nakama quando vim para São Paulo depois de me formar (1992/93).

Tenho aproximadamente 18 anos de Seidokan. Acho que posso me considerar da família.

Luci e Edson são professores, amigos, conselheiros e companheiros. Tive o prazer de conhecer Sensei Sagara e acompanhar algumas aulas sempre que podia.

Acompanhei, nestes anos a trajetória e evolução técnica e intelectual do Sensei Nakama.

Podemos confirmar com esta entrevista brilhante, realizada pelo companheiro Camacho, que mais parece um ensinamento (Dojo Kun).

Agradeço todo dia por ter conhecido e iniciado treinamento na Seidokan. Em todas as intempéries ocorridas na minha vida recorri aos ensinamentos e ajuda do Sensei Nakama.

Sensei Nakama é exemplo de persistência, perseverança, tolerância e caráter. Acho que está completo para nos comandar e representar Sensei Okazaki com maestria e seriedade.

Grande abraço e saudações karatekas.

Sergio Leite Ottoni
.

 

 

O sensei Nakama é uma jóia rara no nosso Brasil e fiz questão de escrever sobre ele no meu livro com o título Karatê Shito-Ryu. Também tive a oportunidade de conhecer o Sensei Sagara participando de um seminário.

Tive o grande orgulho de competir em São Paulo com o Sensei Nakama na mesma categoria. Naquela oportunidade fiquei em terceiro lugar e ele, em segundo. Para mim foi o campeonato mais importante por estar ao lado dele.

Quem conhece karatê no Brasil e no mundo, deve muito respeito ao sensei Nakama.

José Aguiar
Seiden-kai
.

 





© Camacho